Acabei de ler: O Inquisidor - Mark Allen Smith


Prontos para a primeira resenha da parceria do blog com o Grupo Editorial Record?


Hoje, vou falar sobre O Inquisidor, livro de estreia de Mark Allen Smith que, antes de ser escritor, é produtor e roteirista de filmes. Esse é um dos lançamentos da Editora Record de fevereiro.


ASPECTOS FÍSICOS
Eu gosto dessa capa bem sombria, de acordo com suspense que o livro propõe mas me incomodo com duas coisas nela: esse tom esverdeado da pele na foto e o fato de R do Inquisidor ficar um pedaço dobrado na orelha do livro #chatices. De qualquer forma, a capa conseguiu atrair a minha atenção.

O livro tem uma diagramação simples mas impecável, são 414 páginas divididas em 22 capítulos. Não há detalhes mas também não há erros de escrita, as margens são boas e a fonte também. 


HISTÓRIA
Geiger é a grande personalidade por trás d'O Inquisidor, um cara frio e metódico, aparentemente sem passado - ou, pelo menos, não um passado que ele recorde. Em Nova York, Geiger divide a fama na área de obtenção de informações com Dalton, os dois são nada menos que torturadores profissionais; mas isso não os torna iguais, enquanto Geiger raramente derrama sangue, Dalton costuma terminar as sessões com morte.
Para fazer toda a combinação com seu cliente, Geiger conta com Harry que também garante que nunca chegarão à sala de tortura crianças, maiores de 72 anos e cardíacos. Contudo, um dia, essas regras acabam sendo burladas por um cliente e Geiger se depara com Erza, um pré-adolescente.

Pela primeira vez, Geiger age sem planejar seus passos e decide fugir com Erza para impedir que ele caia nas mãos de Dalton. Ele acaba por desafiar uma grande rede de criminosos, precisando ir cada vez mais fundo em suas atitudes e na sua mente.


OPINIÃO
Eu estava esperando uma leitura densa do livro, até um pouco cansativa, mas acabei devorando o livro em poucos dias. A escrita de Mark Allen Smith consegue nos prender e cada capítulo puxa o próximo, tornando prazerosa e rápida a leitura. O livro parece realmente um filme de ação, não há grandes pausas para respirar e pensei isso antes mesmo de saber que o autor trabalhava na sétima arte.
Eu fiquei realmente cativada pelo personagem principal, Geiger, aquele típico anti-herói que, apesar de não estar dentro da lei, consegue ter uma personalidade boa e consegue fazer com que torçamos para ele - quem já assistiu Dexter entende o que falo. 
A história tem uma base muito boa, afinal, a proposta de um torturador profissional mas com escrúpulos acaba por atrair a atenção. 

Contudo, apesar de ter devorado o livro e ter gostado bastante do enredo e do modo como foi escrito, consigo ressaltar alguns pontos negativos. O principal deles é que queria mais; queria que os personagens secundários tivessem as personalidades mais desenvolvidas, queria que o passado de Geiger - tão misterioso - fosse mais interessante, queria entender mais de porquê Geiger tem toda a fama que tem. No fim, eu senti que faltava um pouco mais em tudo.

O livro, de forma alguma, é ruim. Uma boa leitura para quem gosta de ação e um pouco de suspense, flui com facilidade, tem um protagonista carismático; só podia ser um pouco menos ação e um pouco mais construção dos personagens.


TRECHOS
❤ "O cliente ouvira todo tipo de histórias. Geiger era um louco que cumprira pena pesada; um agente desonesto da Agência Nacional de Segurança; um herdeito degenerado que não precisava do dinheiro e fazia aquilo pela emoção. O único ponto em comum em todas as histórias era o que dizia que Geiger era inigualável." 
- Pág. 9

❤ "Parecia uma foto da NASA de algum território alienígena. Ele desejou que estivesse lá; tinha certeza de que em Marte ou Vênus não havia assassinos treinados esperando um telefonema para subir a escadaria e colocar uma bala em seu crânio." 
- Pág. 141

❤ "- Quais você usa?
- Não uso. Não gosto da sensação delas na pele das mãos.
- Você não se preocupa com infecções? Aids, hepatite C...
- Praticamente não há sangramento comigo.
Dalton colocou a outra luva." 
- Pág. 280

O livro já está disponível nas principais livrarias e sites e também em e-book.
Para acompanhar todas as minhas leituras, me adiciona no Skoob.
E para conhecer mais sobre o Grupo Editorial Record, ver todas as editoras e os catálogos, clique aqui!

Beijos.
EI, LEITOR! O livro foi enviado pela Editora Record, devido à parceria que o blog tem com a editora. O blog não recebe qualquer pagamento para resenhar e divulgar o livro, expondo sempre a opinião sincera em relação à leitura. O pagamento é a alegria de difundir livros especiais para as pessoas.

Diário: Acabou a Vida Boa


Acabou a vida boa! Na última semana de férias, dormi muito para me preparar para o semestre inteiro de sono atrasado que estava por vir hahaha.
E isso é tão verdade que nem lembro o que fiz segunda e terça.


Mas quarta-feira resolvi sair da cama e ir encontrar a Isinha para me despedir. Fomos comer pizza - vocês perceberam minha forma mais arredondada depois desse fevereiro, né? hahaha - e estava maravilhoso!
Olha o que usei:


Tenho esse macacão há alguns anos, acho maravilhoso mas só tinha usado uma vez.
Ele é de um tecido super fresquinho, ou seja, ótimo para o calor e a parte interessante fica por conta das costas de fora. Queria ter usado um salto mas não tinha nenhum em Flores da Cunha que ficasse bom e acabei tendo que ir com minha rasteirinha mesmo. 

Macacão MARISA | Rasteirinha NEW CASUAL | Brinco LOJINHA DE RUA | Pulseira ARMÁRIO DA NEIDE | Anel PRESENTE


Depois de cumprir a missão impossível de fazer tudo caber dentro de 4 malas, fui viajar na sexta-feira. Tenho o carro há mais de um ano mas sei dirigir mesmo dentro da cidade e, na sexta, encarei uma viagem longa sozinha; fiquei nervosa mas foi super tranquilo, não peguei movimento e ninguém buzinou pra mim hahaha. 


O resultado de quase 3 meses fora do meu apartamento, foi muita sujeira e muita coisa para organizar. Consegui encaminhar algumas coisas no finde mas ainda tem muito pela frente, fora as coisas que quero mudar - como minha gaveta de make e acessórios. 
Sábado, após guardar a decoração de Natal haha, eu e o Denis tiramos a noite para ir jantar e comer o que de melhor há nesse mundo: comida japonesa. Sou enlouquecida! Comi até não conseguir mais. 


E o look que escolhi para a janta de sábado e para passar o domingo. 
Fotografei ele e, se as fotos ficarem boas, posto completinho por aqui. Escolhi minha gladiadora linda maravilhosa, maxi brincos turquesa (divino!) e alguns aneis; o look ficou bem fofo.

Agora começam as aulas, preciso entrar novamente na rotina mas na próxima segunda vocês ficam sabendo de tudo!
Beijos.

Uma ótima semana!

O que usar na academia?


Até tipo anteontem eu ia muito fulerenta para a academia haha. Uma legging preta, um tênis sem grça e uma blusa larga e velha eram o look oficial para malhar - diga-se de passagem bem apropriado para o humor com que entro na academia haha.
Mas a moda fitness cresceu demais nos últimos anos e tem muita novidade por aí. Eu nunca tinha dado muita bola até que comecei a comprar algumas regatinhas coloridas bem baratas no Hipermercado Big, sabe?
O resultado foi mais interesse na hora de montar o look para a hora da tortura e também mais vontade de inventar nas combinações. Acabei me apaixonando e comprei em igual quantidade roupa para o dia a dia e para a academia nas férias (tem vídeo mostrando as comprinhas!).

Pra hoje, então, separei algumas fotos de mulheres que sigo no Instagram - só gata! - pra gente se animar a pensar mais no look da academia e também pra ir treinar, né??

A Andressa é maravilhosa e sou super fã. Ela aposta em looks bem sexy na hora de malhar e abusa dos macacões; eu confesso que não me sinto segura em ir malhar de decote ou com peças muito justas e acabo gostando mais dos looks dela mais relax.
Para mim, a grande peça pra comprar é o short saia. Compre um que vista bem, te deixe confortável e segura e que combine com vários tipos de blusa; essa peça destaca e deixa tudo lindo!
Separei a primeira foto porque estou precisando de um casaquinho como esse pra encarar o inverno.

Completamente enlouquecida com essa calça de caveiras mexicanas da Cris!
A Cris é uma apresentadora de Porto Alegre e aposta nas calças coloridas e estampadas com partes de cima sempre neutras. Acho o modo mais simples e fácil de inovar.

A Thayla é quem tem os looks mais vida real dessa seleção! São leggings coloridas mas de uma cor só, fáceis de encontrar por aí e regatinhas com frases legais.
O modelo de regata mais cavada é meu xodó. Ótimo para o calorão e também para mostrar um item que, para mim, é indispensável: o top! Não consigo ir pra academia de sutiã de jeito nenhum e são tantos tops lindos que dá até vontade de mostrar um pedacinho.

Com esse corpo não fica difícil, né?!
O primeiro look com short saia e regata soltinha é muito eu, me vejo indo pra academia assim - confortável, bonito e não muito justo.
A Adriana já me convenceu a, pelo menos, provar uma legging rosa brilhante (ela tem uma maravilhosa mas não achei nenhuma foto boa para colocar na montagem). No início, achava as leggings brilhosas o grito da cafonice mas admito que venho destorcendo o nariz cada vez mais; só não sei se minhas coxas roliças vão ficar bem nela.
E queria falar dessa calça preta e branca que eu achei genial, simplesmente perfeita pra dar mais segurança na hora de agachar e ainda disfarçar quadril e bumbum.

Todas têm diversos modelos de tênis como dá pra ver. Mas não acho que isso seja necessário.
Aposte em um tênis neutro - indico preto - com algum detalhe chamativo como cardarço rosa, logo lilás etc. Fica lindo, combina com tudo e não compromete.
O meu é todo pink e, às vezes, fica demais com certos looks mas, sendo o único...

Termino esse post com vontade de regatinhas cavadas, legging brilhosa e mais shorts-saia.
Como vocês costumam ir malhar?

Beijos.

Fotos: Instagram pessoal

Diário: Carnaval e Aniversário


Antes de falar sobre a semana que passou, deixa eu falar sobre tempos remotos haha. 
Meu celular estragou no final de semana passado e perdi todas as fotos, esse foi o motivo de não ter resuminho da semana na segunda (16). Mas fiz questão de tirar novamente uma das fotos que é essa.
Meia-noite na Austenlândia e O Inquisidor foram os dois livros que solicitei para o Grupo Editorial Record para fevereiro. Fiquei muito feliz quando chegaram! Obrigada, Record! Já li O Inquisidor e essa semana tem resenha - muito bom o livro - e hoje começo o outro que está me deixando bastante curiosa.


Segunda-feira passada estávamos em clima de Carnaval. Passei o feriado em Novo Hamburgo com o namorado, descansamos bastante e aproveitamos para ficar mais tempo juntos. A única foto nossa do finde foi essa maravilhosa hahaha.


Quase metade da semana e eu estava na rodoviária de Novo Hamburgo esperando o ônibus para voltar para Flores da Cunha. 
E, a janta da noite: café com leite e biscoitos fura bolo. A intenção era dar tchau para os carboidratos porque o Carnaval foi hard mas também não deu muito certo, não.


Quarta aproveitei a vontade de fotografar para o blog para deixar pronta essa receita para o blog. Ficou delicioso o bolo e todo mundo aqui em casa comeu bastante. Confere o post completinho porque tem desconto na loja oficial da Dieta Dukan.

Nem lembro exatamente o que fiz quinta e sexta mas tive dias de preguiça por antecipação pensando nas férias que estão acabando. Passei os dias na cama assistindo a Grey's Anatomy; quero terminar a série antes das aulas começarem mas estou na oitava temporada aiai.


No final de semana, reunimos toda a família aqui em casa. 
Sábado fui com minha mãe e o Denis para Caxias do Sul porque precisamos trocar algumas peças de roupa no shopping e aproveitamos para almoçar por lá. Qual será a minha escolha óbvia? Um bom japa! Nossa, estou com muita vontade de comer um bom e inigualável buffet livre de comida japonesa!


No domingo, tivemos um dia muito especial aqui em casa.
É muito difícil reunir toda a família por conta dos compromissos e das cidades diferentes em que cada um mora mas conseguimos o feito para comemorar os 90 anos da minha avó Diva. Ela merece!
Uma mulher incrível que já batalhou demais na vida para ser feliz e conquistar seus objetivos e que, agora, só dá amor para cada um de nós! 
Só uma mulher como ela conseguiria chegar aos 90 morando sozinha, caminhando, costurando, tricotando e completamente lúcida. Um exemplo e um amor grande demais!
Parabéns, vó! 

E essa foi a minha semana, bem especial.
Agora vem a última semana de férias e depois, de volta à rotina e ao batente. Venham comigo!

Pra ver as fotos em tempo real, me segue no Instagram!
Beijos.

Meu relacionamento não é centro da minha vida


E, então, chegou o dia em que eu fiz a estarrecedora revelação:

Meu relacionamento não é o ponto central da minha vida; ele me faz feliz e é uma parte importante de mim mas é exatamente isso, uma parte, não um todo. Sei que posso ser feliz sozinha - já fui muito - e também posso ser feliz com alguém; e eu escolho qual dos dois quero para mim no momento.

Entre olhares de descrédito, de pena e de não compreensão, as pessoas que se encontravam ao meu redor tentaram argumentar. Uma dizia que meu relacionamento não tinha futuro, não tinha como dar certo; outra dizia que era o reflexo de tempos modernos em que não se valoriza o relacionamento.

No momento, tomei o que considerei a melhor atitude - calar. Mas não concordo com nenhuma das duas afirmativas. 
Não que, para um relacionamento ter futuro, ele precise ser o centro da vida de uma pessoa. Porque eu não colocar o meu relacionamento no centro de meu mundo não significa que eu não vá me dedicar a ele, que eu não vá cuidar dele e tentar preservá-lo. Ao contrário, estando eu consciente de que ele não é tudo e não é interminável, me dedico dia após dia a torná-lo melhor.
E também não concordo que os tempos modernos não valorizem relacionamentos. Vejo pessoas que não querem namorar por infinitos motivos e essas talvez não valorizem mas são uma parcela da população; vejo outra grandíssima parte abandonando familiares e amigos para supostamente se dedicarem exclusivamente a uma relação e não acho que isso indique sucesso (muito pelo contrário).

Atualmente, enxergo 3 grandes grupos na sociedade. 
O primeiro, provavelmente trazendo na bagagem anos de conservadorismo e tradição, que abandona tudo para se dedicar a um namoro ou casamento. Pensa em filhos, casa, roupa lavada e, por vezes, esquece até de si próprio. 
Após um término catastrófico, as pessoas desse primeiro grupo tendem a se tornar bastante parecidas com as pessoas do segundo em questão.
Esses, não querem relações amorosas. Consideram perda de tempo e dedicação, considerando o sucesso na carreira e até mesmo o pessoal mais relevantes; até podem querer filhos mas não precisam arcar com os contras de uma relação para cumprir mais esse objetivo. A vida é uma planilha de tarefas a cumprir, cada uma visando a próxima, e uma relação não tem sentido de existir nela.

E, por fim, um terceiro grupo ao qual me considero pertencente. O relacionamento não vai conduzir minha vida - não largarei minha profissão para me mudar com meu marido, não abandonarei meus hobbies para fazer parte dos hobbies dele - mas poderá acompanhá-la. Enquanto respeito a individualidade da outra pessoa do meu lado, espero ter a minha respeitada; ou seja, faço o que quero desde que isso não desrespeite meu parceiro, afinal, o nome dele está atrelado ao meu mas faço o que quero. E espero, sinceramente, que ele faça o mesmo.

Pode ser que, eventualmente, o querer dele desagrade o meu. Nesse momento, após uma discussão (porque somos pessoas e não somos perfeitos), talvez eu pare para pensar que o querer dele é importante para ele e, sendo assim, deve ser respeitado. Posso não concordar, posso até não apoiar porém jamais o desanimarei. Porque ainda acredito que o apoio é parte importante nessa equação complicada que é ter sentimento por alguém diferente de nós mesmos.

No final, posso não parar a minha vida por uma relação mas gostaria muito que ela seguisse ao meu lado na vida!


Ei, amores, pra quem vem aqui há menos tempo, deixa eu contar. No início, o Coisa e tal tinha MUITOS textos meus, sabe? Eram desabafos de uma adolescente que tinha muito dentro de si e precisava colocar pra fora de algum modo. 
Com o tempo, os textos foram sumindo porque o tempo foi ficando menor e os grandes anseios ficaram mais controlados mas gosto muito de escrever e espero que vocês tenham gostado do texto também!

Beijos.

Na Cozinha: Bolo de Cacau sem Ovos - Dieta Dukan


O que vocês acham de uma receita gostosa, rápida e leve pra esse pós-carnaval? E mais, é de chocolate!


A receita é apropriada pra fase cruzeiro para quem faz a Dieta Dukan mas se bateu aquela vontade de comer um doce mas ainda quer uma opção mais saudável, a receita também é uma ótima alternativa.
Eu vi a receita pela primeira vez no Instagram da @micheledukan mas a criadora é uma colaboradora do perfil @projetoviverdukan! Para quem quer incentivo pra seguir a dieta, esses perfis são ótimos.

INGREDIENTES

6 colheres de sopa de leite em pó desnatado
❤ 6 colheres de sopa de farelo de aveia
❤ 200 ml de leite desnatado
❤ 2 colheres de sopa de amido de milho
❤ 2 colheres de sopa de cacau em pó
❤ 1 colher de sopa de fermento químico
❤ 3 colheres de sopa de adoçante culinário

DICA 1: Na Dukan, o amido de milho conta como um dos 2 tolerados do dia, você pode substituí-lo por proteína isolada de soja, se preferir.
DICA 2: Se você prefere um bolo mais doce ou não é muito fã de cacau, pode diminuir um pouco a quantidade. Com as 2 colheres de sopa, o bolo fica com gostinho de chocolate 70% cacau, ok?
DICA 3: O adoçante que uso é a base de stevia. Gosto de usar o líquido e cada 4 gotas equivalem a 1 colher de chá; na minha receita, coloquei aproximadamente 36 gotas.

MODO DE PREPARO

Misture todos os ingredientes - exceto o fermento - no liquidificador. Use uma colher para testar se todo o farelo ficou bem misturado com o resto.

Por último, coloque o fermento e só bata um pouco no modo pulsar.
O fermento, para fazer a receita crescer, não pode ser muito batido.

Use uma forma de silicone - pode ser uma média ou diversas forminhas de cupcake. Não coloque a forma de silicone direto na grade do forno, tá?
Asse em forno baixo - em torno de 180ºC - por 30 minutos (para mim, foram 35 min).


E pronto! 
Você pode comer assim - fica ótimo com café! - ou acrescentar pudim zero. O meu preferido é o de morango mas como eu não tinha nesse dia, resolvi fazer uma camada de baunilha e outra de chocolate.

Sem mistérios aqui.
Basta comprar os pudins zero da sua preferência e misturar o pó com 350 ml de leite desnatado (a receita é com 500 ml mas gosto de fazer com menos pra ficar mais consistente). Após, coloque por 5 minutos no micro-ondas, pare aos 2 min e dê uma mexida. 
Fique de olho pois a mistura pode ir por cima; se perceber que está quase, pare, mexa e reinicie.
Após feito um pudim, coloque por cima do bolo de cacau e leve à geladeira por umas 2 horas, até que o pudim fique mais consistente.
Faça o outro pudim e o mesmo processo, deixando na geladeira por mais algumas horas.

Bom apetite!

DICA 4: Cuidado para não ultrapassar a cota de 2 colheres de sopa de farelo de aveia por dia. O bolo se conserva tranquilamente na geladeira.
DICA 5: Após pronto, metade do conteúdo do pudim conta como um tolerado para o dia.

Ficou animado com a receita e pra retomar a dieta? Então, deixa eu avisar que o desconto do blog na Loja Oficial da Dieta Dukan ainda está valendo.

Comprando por esse link e usando o código de desconto na hora da compra, vocês têm 10% de desconto nos produtos!
Código Promocional: COISAETAL
E, usando esse link e colocando o código de desconto, dá pra ganhar 25% de desconto ao assinar a Dieta Dukan Online!
Código Promocional: CT25DK

Espero que aproveitem os descontos!
Se fizerem a receita, me contem o que acharam e marquem com a #dietadafêh no Instagram pra eu conferir!
EI, LEITOR! Este não é um publieditorial; é uma parceria firmada entre o Coisa e tal e a Dieta Dukan onde o blog ganha uma porcentagem das vendas realizadas por aqui e agradece a ajuda! O blog só indica produtos que já foram testados e em que confia porque acredita em opiniões verdadeiras.

Acabei de ler: Lis no Peito (Um Livro que Pede Perdão) - Jorge Miguel Marinho


As leituras estão correndo rápido por aqui, então, para não ficar com muitas resenhas atrasadas, vou aumentar a frequência, tá?!
E hoje é dia de falar de outro livro lindíssimo da Editora Biruta: Lis no Peito - Um Livro que Pede Perdão, muito bem escrito por Jorge Miguel Marinho. Tenho a 5ª edição, de 2014 e o livro é amplamente premiado - Prêmio Jabuti em 2006, 100 melhores livros para crianças em 2012, White Ravens de 2006 e muitos outros.


ASPECTOS FÍSICOS
A capa do livro é branca com um detalhe em um tom de burgundy, bem simples; o que acaba chamando a atenção é a foto de Clarice Lispector 'espiando' o leitor. Antes de ler a história e compreender a íntima relação que essa autora tem com o enredo, confesso que achava ela bizarra, agora até gosto de imaginar que Clarice esteja realmente me espiando.

Por dentro, o livro tem folhas pretas, burgundy e laranja. A cada começo de capítulo, há 2 folhas laranjas com um trecho escrito por Clarice Lispector para introduzir um pedaço da história.
As folhas são amareladas, o tamanho da fonte é médio para grande e as margens são generosas. Além disso, o número da página é laranja e a primeira linha de cada capítulo também. 
Toda a diagramação é ótima e permite que a leitura, que já é leve, se torne ainda mais fluida. 

A foto com o texto torto não é pra mostrar um defeito de impressão, não haha. O último capítulo tem uma outra proposta e achei interessante o modo como a editora conseguiu representar uma 'página solta' da história: as margens ficam tortas para entendermos que esse capítulo não é propriamente parte da história, seria mais uma anotação sobre ela.


HISTÓRIA
Lis no Peito é um livro escrito para que Marco César ganhe perdão - e também compreensão. 
Antes mesmo da história começar, conhecemos o protagonista, um garoto de 17 anos, tímido, inquieto e que vive mais em seus pensamentos do que na vida real. Um cabelo, uma voz e um nome - Clarice - mudam esse cenário quando Marco César conhece a garota que será seu primeiro amor, seu primeiro beijo e sua primeira decepção. 
Contudo, a história de amor de Marco César e Clarice é apenas pano de fundo para o crime cometido e também para as leituras de Clarice Lispector durante a história.


OPINIÃO
Esse livro de Jorge Miguel Marinho é em prosa mas podia muito bem ser classificado como poesia. O autor encontrou um modo singelo e único de descrever até a mais clichê das situações da vida de cada um de nós; palavras suas entremeadas com as palavras de Clarice Lispector. Um livro profundo e tocante.

A sinopse do livro não nos fornece muitas informações sobre a história e, o que mais me deixou curiosa, foi como a presença de Clarice Lispector poderia ser tão importante a ponto de tomar a capa da obra. Depois de ler o livro, é possível compreender que, para cada cena narrada, há um trecho de Clarice que o conta, o define, o entende, o sente. 

Lis no Peito me surpreendeu positivamente em cada página e, após os primeiros capítulos, eu - que enrolei para começar a ler o livro - já estava completamente apaixonada. A leitura é fácil, rápida e linda; um livro para ler em uma tarde tranquila ou, então, para ler aos poucos e apreciar cada detalhe (meu modo preferido)! Gosto muito quando o autor fala diretamente com o leitor, sabe? Como se estivéssemos todos em uma grande conversa escrita, de cara isso já me conquista. E Jorge Miguel Marinho faz isso com uma maestria que realmente fico com a impressão de já ter conversado muito com ele.

O livro é classificado como infanto juvenil pelo modo leve como o tema é abordado e, com certeza, faz jus a todos os prêmios que já ganhou na categoria mas acredito ter aproveitado muito a experiência de lê-lo mesmo agora, já mais velha. Para todos que são apaixonados pelas palavras, o livro é um poema de amor.


TRECHOS
❤ "A gente vai rabiscando a página, jogando nomes ao acaso, iscando e ciscando a vida para pegar o que está dentro das palavras: as emoções. Ás vezes, ou quase sempre, é um tormento fazer as palavras combinarem com as ideias, os pensamentos, as emoções que se chocam dentro de nós como bloco de gelo navegando em água turva, farpas imantadas e boiando tontas em mar estranho. Tudo é da mesmo matéria, mas a palavra briga com a vida, você sabe" 
- Págs. 12 e 13

❤ "Ás vezes não sentia nada, e esse é o pior sentimento para se dar a alguém tão próximo."
- Pág. 96

❤ "[...] um dia a Clarice Lispector perguntou para o Chico Buarque o que era o amor. "Não sei", ele respondeu, "e você, Clarice?". "Nem eu", ela disse [...], amar a gente pode sempre, amar não acaba nunca, é a maior vocação de qualquer pessoa e é por isso mesmo que o amor apenas existe e nada mais se pode dizer, existe e só."
- Pág. 146

A árvore em questão não é uma amoreira mas a imaginem como uma. Ao ler o livro, entenderão!


Para acompanhar minhas leituras, me adiciona no Skoob!
E para ver todo o catálogo e conhecer mais sobre a Editora Biruta, dá uma olhada aqui!

Beijos.
EI, LEITOR! O livro foi enviado pela Editora Biruta, devido à parceria que o blog tem com a editora. O blog não recebe qualquer pagamento para resenhar e divulgar o livro, expondo sempre a opinião sincera em relação à leitura. O pagamento é a alegria de difundir livros especiais para as pessoas!