A vida, a faculdade, o coração


Começo a escrever esse texto - e esse post - sabendo que ainda preciso estudar os tópicos do que vi hoje, jantar, organizar meu apartamento, ler pelo menos um capítulo do meu livro e, por fim, descansar. Já sabendo também que provavelmente não conseguirei riscar todos esses itens da lista porque não venho conseguindo desde que iniciei uma nova fase da minha vida.
Ao mesmo tempo em que sei de todas as coisas que preciso fazer e que talvez todas elas sejam mais importantes do que postar no meu blog, sinto-me em dívida com esse cantinho pelo qual tenho tanto carinho e no qual sempre desabafei. 
Por isso, cá estou. E estou para falar de mim como sempre ocorreu nesses 7 anos de Coisa e tal.


Há 2 meses, a vida me pegou de surpresa e fez questão de me mostrar que muitas das certezas que eu tinha para mim e para minha vida não eram tão certas. Gosto que seja assim; ao mesmo tempo em que é desesperador não estar no controle de tudo, não estar no controle de tudo também é libertador. 
Há 2 meses, a vida mudou e me trouxe de presente para marcar essa nova fase um anjo que me deu a mão e divide comigo até hoje as dificuldades, a rotina, os estresses, os problemas e o coração. Olhar para o lado e saber que você pode encontrar moradia também no coração de outra pessoa traz uma paz indescritível. A paz de quem encontrou seu lugar no mundo. 
E, assim, o coração vai bem. 

Parece que fechei os olhos aos 17 anos como uma caloura na universidade e abri agora, aos 21, como doutoranda há exatos 9 dias - que de tão longos parecem 6 meses. 
Sei que quando tiver meu CRM (o registro médico), essa fase da vida parecerá nada mais do que uma brincadeira de criança, contudo, hoje, essa fase tem me trazido uma consciência da profissão que escolhi, da responsabilidade que ela carrega e do que vou viver pelo resto da vida como nunca tive nesses 4 anos anteriores. 
Além de toda a mudança na rotina diária - que virou muito mais prática do que teórica -, ainda estou começando um cursinho já me preparando para a próxima reviravolta que a minha dará, aquela que virá acompanhada de uma assinatura e um carimbo. 


Sinceramente, tenho muita vontade de pular essa parte que, apesar de extremamente enriquecedora, é também muito cansativa e ir direto para aquela onde trabalho, faço meu próprio horário, ganho meu dinheiro, tenho minha casa. 
Por outro lado, porém, estou vivendo os dias tão intensamente e tão apaixonadamente que sinto que reavivei algo dentro de mim que eu nem sabia mais que me habitava e que eu, por suposta maturidade, pensei ser coisa de adolescente. 
Não é imaturidade amar e demonstrar o amor assim como não é imaturidade ser feliz por detalhes tão simples como um passeio na praia. 

2015 está só na metade mas já conseguiu deixar marcas em mim para a vida toda. Que esse ano continue trazendo surpresas, que eu possa continuar dividindo-as com um homem tão especial e que aprenda a cada dia que amor não se esgota e felicidade é estado de espírito - é sentir-se feliz e, por assim sentir-se, estar e por estar, ser.

Beijos cheios de amor.

Na Real: Um Ponto de Cor


Fui passar o feriado de Corpus Christi em Flores da Cunha e como uma pessoa prevenida que odeia frio, levei roupa para encarar o frio que eu imaginava que faria por lá. No final, os dias foram super agradáveis e não usei quase nenhuma das roupas que levei.
No sábado, eu e a Isa fomos comer um delicioso rodízio de pizza e acabei usando a minha saia preta - que levei pensando em usar com meia-calça. Coloquei por cima só uma blusa de bolinhas e um lenço depois de provar diversas malhas e não gostar de nenhuma.

Achei que toda a graça do look ficou por conta da clutch vermelha, uma peça antiguinha da minha mãe que eu acho linda! Ela, junto com as bolinhas, trouxe uma alegria para a roupa mesmo ela sendo bem escura.

Bota RAMARIM

Saia BOKA MEL

Lenço SEM MARCA
Clutch ARMÁRIO DA NEIDE

Blusa TOP LIST
Brinco ARMÁRIO DA NEIDE

Look simples mas que acabou me agradando e sendo perfeito para a ocasião.
O que acharam?

Se quiserem ver mais look, dá uma olhada no meu Lookbook.
Beijos.

Acabei de ler: Just Me! - Roberto Cavalli


Eu estava muito ansiosa para ler a autobiografia de Roberto Cavalli e foi o livro que tive primeiro a certeza de que iria solicitar. Que eu me recorde, Just Me! é a primeira autobiografia - e até mesmo biografia - que já li e foi publicada pela Bertrand Brasil, um selo do Grupo Editorial Record, em abril.


ASPECTOS FÍSICOS
A foto da capa do livro é maravilhosa, arrisco dizer que a foto mais bonita que já vi de Cavalli, acho seu olhar forte mas ao mesmo tempo leve, perfeita para a capa! Se não bastasse isso, fiquei muito feliz quando vi a parte de trás do livro com uma foto de Roberto, dessa vez, como eu o conheci, já mais velho. Adorei essa arte!
A capa tem uma textura que não sei descrever bem mas que costumo dizer que é aveludada, super gostosa ao toque mas que suja bem fácil, é preciso cuidado!
Não há detalhes no texto do livro, contudo, a fonte, o tamanho, as margens e o espaçamento são ótimos. Há muitas fotos e desenhos espalhadas mas falarei sobre esses detalhes mais no final.


HISTÓRIA
Como uma autobiografia, Just Me! é contado em primeira pessoa por Roberto Cavalli e, no livro, o estilista conta toda a sua trajetória de vida, começando nas suas primeiras e sofridas lembranças da infância passando por sua entrada no mundo da moda e chegando aos dias em que já construiu seu império.
Cada parte da história ganha um sentimento diferente e eles são perceptíveis nas descrições e palavras ali colocadas. 


OPINIÃO
A história da moda - e, consequentemente, de seus personagens - me fascina demais, sejam eles estilistas, modelos ou fotógrafos. Eu iniciei a leitura de Just Me! muito animada porque esperava mergulhar na moda de Cavalli. Na verdade, acabamos mergulhando na vida e na personalidade de Roberto, o menino que viu ainda muito novo seu pai ser assassinado, que sofria com as constantes cobranças na escola e que buscava uma relação constante e amorosa para sua vida. 

O livro começa com uma aura bastante pesada e triste onde um Roberto ainda criança precisa enfrentar medos, cobranças e dificuldades. Apesar de tudo, arrisco dizer que essa é uma das minhas partes favoritas do livro porque é nesse momento que coisas realmente acontecem. 
Cavalli acaba descobrindo seu amor, inicialmente, pelo couro e aprende a trabalhar e a inovar com ele, lida com suas vontades de adolescente e de adulto e passa por dificuldades e conquistas muito batalhadas também.
Aqui, as coisas são contadas calmamente e isso acabou fazendo com que meu ritmo de leitura também diminuísse um pouco; não porque a leitura fosse cansativa mas porque cada página trazia uma história e reviravolta.

Um pouco antes da metade do livro, Roberto Cavalli torna-se Roberto Cavalli e isso me deixou muito animada porque esperava conhecer mais sobre os desfiles, as modelos, as celebridades e todo o universo. Mas não tive minhas expectativas correspondidas e isso foi o que mais me decepcionou no livro.
Nessa parte, os capítulos tornam-se curtos e muitos anos contados rapidamente. Ele seleciona algumas histórias pontuais sobre artistas (a com Michael Jackson é emocionante!) e outras estilistas para contar mas eu fiquei com gostinho de quero mais. Acabamos descobrindo um Roberto com gostos exóticos e vontades um tanto absurdas - diria eu, bastante mimado - mas que, por conta de tudo que conquistou, consegue arcar com seus desejos e suas consequências. 

São 58 capítulos e 334 páginas de uma autobiografia em parte pesada e em parte leve e superficial demais. Quem gosta desse universo, como eu, vai acabar achando a leitura agradável e divertida porque ele consegue, mesmo que pouco, incluir outros personagens da moda na sua história.


EXTRAS
Em 3 partes, o escrito do livro é interrompido com folhas de qualidade superior para vermos muitas fotos de momentos da vida de Roberto Cavalli e eu amei todas. 
Na primeira, vemos fotos em preto e branco da mãe de Roberto - um dos grandes amores de sua vida -, dele e da irmã ainda pequenos e de seu primeiro casamento. Na segunda, as fotos são com Eva - a segunda e última mulher por quem Roberto foi completamente apaixonado -, dos filhos, das aventuras dele em mar, em cima de um cavalo ou com seu tigre de estimação. E, por fim, na terceira, estão os maravilhosos croquis feitos para desfiles e para celebridades (tem Beyoncé, Shakira, Spice Girls, Britney) e fotos com as celebridades! Adorei. 
A qualidade das imagens é ótima.
Uma pequena reclamação é que os capítulos são interrompidos por essas páginas, ou seja, não há o término de um para, após as fotos, começar o próximo e, ao meu ver, se assim fosse, ficaria mais organizado e mais dinâmico na leitura porque eu, por exemplo, preferiria terminar de ler o capítulo e ver as fotos do que interromper a leitura no meio.

TRECHOS
❤ "Depois, de novo o silêncio. Só a morte traz um silêncio tão pesado, tão tétrico, tão profundo. Só a morte dá fim a todo sofrimento." 
- Pág. 11

❤ "E também observava como as mulheres combinavam as cores: o laranja com o amarelo e o vermelho, ou ver com o violeta e o turquesa. Tudo era fotografado pelo meu olho e permanecia impresso dentro de mim. Nunca pensei naquele período ou no étnico como algo em que me inspirar, mas como numa fonte inesgotável de cores e nuances que o homem não poderia sequer conceber se não tivessem sido inventadas pela terra e cultivadas pelos costumes de um povo." 
- Pág. 106

❤ "Eu gostava da moda feminina, de criar para as mulheres! Amava as mulheres, desejava vesti-las para depois despi-las, despi-las para depois vesti-las. Mulheres. É a elas que dedico meus sonhos, inclusive em termos de moda." 
- Pág. 144


O livro já está disponível nas livrarias e no Submarino, Amazon, Saraiva e Cultura. E também em e-book (aqui e aqui)!
Pra conferir todo o catálogo e novos lançamentos da Bertrand Brasil, clica aqui. E pra ver ais sobre o Grupo Editorial Record, aqui!
Aproveita e me adiciona lá no Skoob! Vamos trocar dicas de livros, acompanhar resenhas e progresso na meta de leitura!

Não são lindos esses croquis, gente?
Beijos.
EI, LEITOR! O livro foi enviado pelo Grupo Editorial Record, devido à parceria que o blog tem com a editora. O blog não recebe qualquer pagamento para resenhar e divulgar o livro, expondo sempre a opinião sincera em relação à leitura!

Diário: É simples ser feliz


Depois de muito tempo sumida, a tag 'Diário' volta aqui para o blog! Sinto muita saudade de compartilhar por aqui um pouquinho da minha semana; em primeiro lugar porque escrever é uma terapia para mim e expor a minha semana me faz repensar ela e, em segundo, porque o Coisa e tal sempre foi um espaço muito pessoal e é assim que quero mantê-lo. 


E na semana que passou, já comecei recebendo amor em forma de livros! Chegaram TRÊS livros extras do Grupo Editorial Record para mim! Obrigada!
O sol é para todos, escrito por Harper Lee e publicado pela José Olympio era o lançamento que eu mais estava desejando. Estou super animada para ler o livro que tem uma história bem forte. Depois, recebei Beleza Perdida, da Amy Harmon, da Verus Editora e Sr. Daniels, da Brittainy C. Cherry (uma fofa que curtiu as publicações que fiz pra divulgar o livro!), da Editora Record. Fiquei super curiosa com os dois títulos e sigo me perguntando 'Por que não temos mais horas no dia para ler mais?'.
Assim que eu ler, vocês verão as resenhas por aqui! E, novamente, obrigada, Grupo Editorial Record.


Terça-feira, depois de passar o dia na faculdade, fui ao cinema de noite com o André - aliás, estão apresentados ao André hehehe.
Depois de uma pizza deliciosa, assistimos a Mad Max. Eu não sou a maior fã de filmes de ação mas ouvi tantas críticas boas do filme que encarei e gostei bastante; óbvio que tem muita ação e muito tiro contudo o filme não é apenas isso. Aconselho a lerem esse post da Gigi que fez um crítica muito boa do filme - e foi quem me convenceu de que seria bom assisti-lo!


Chegou o meio da semana mas, como quinta foi feriado, parecia sexta haha. Passei o dia animada em ir comer meu buffet livre de sushi tão amado com a Clara mas, em cima da hora, não deu certo e acabamos nos encontrando no Subway mesmo para conversar por horas. Ô pessoa evoluída que é essa minha amiga, ein!
Aproveitei a folguinha para ir até Flores da Cunha passar uns dias com meus pais. Cheguei por lá na quinta ao meio-dia e passei o dia curtindo a lareira, meus pais e meus cachorros. Saudades de tudo isso! A Lola (lembram dela?) está terrível, cada vez mais mimada e sapeca. 


Meus pais estão montando uma chácara lá em Nova Roma do Sul - uma mini cidade aqui do Rio Grande do Sul - e fomos para lá terminar de reformar um galpão. Ajudei um pouco e depois descansei na casa da minha tia. 


No sábado, fotografei para o blog, fiz post, almocei com toda a família e comi um mil folhas/massa folheada lá da Serra hahaha. O mil folhas de Pelotas é um pouquinho diferente mas ambos são deliciosos, arrisco dizer que meu doce preferido. E combina perfeitamente com o chimarrão de final de tarde.
Matei saudades também da Isa! Ela veio para Flores ficar comigo e é sempre ela que me aguenta surtando no Whats, me faz rir quando estou chorando e até quando bato o carro, me incomoda mas me ama demais. Foi ótimo!


E domingo é sempre dia de encarar a viagem de volta. Aproveitei ela para terminar de ler Just Me!, a autobiografia do Roberto Cavalli, da Editora Record e ainda essa semana teremos resenha por aqui. 
É sempre cansativa a viagem, apesar de eu já estar um tanto acostumada, mas sempre vale a pena ir até a casa dos meus pais e também sempre vale a pena voltar para o meu cantinho.

Como foi a semana de vocês?
Essa que está começando vai ser incrível, tenho certeza.

Pra acompanhar meus dias junto comigo, é só me seguir no Instagram e adicionar no Snapchat (fehzenatto)! Vem, gente!
Beijos.

Acabei de ler: Tua - Claudia Piñeiro


Eu voltei, agora pra ficar porque aqui, aqui é o meu lugar! Hahahaha.
Nem vou me desculpar de novo pelo sumiço porque deu, né?! Melhor partir logo pros trabalhos do dia. E, pra hoje, temos uma resenha de livro!


Tua, escrito pela Claudia Piñeiro, é um lançamento de março da Verus Editora, um selo do Grupo Editorial Record e chamou logo a minha atenção pela capa e pela sinopse. 


ASPECTOS FÍSICOS
Como já falei, acho a capa do livro maravilhosa; ela é bonita ao mesmo tempo em que consegue atrair demais a atenção do leitor. E ainda tem verniz localizado no título, no coração e no local do tiro. 
Por dentro, cada início de capítulo começa com o mesmo coração desenhado com batom da capa. A diagramação é ótima, a letra, as margens e o espaçamento são perfeitos assim como a revisão do texto.


HISTÓRIA
Inês e Ernesto são um casal como muitos por aí. Tem um relacionamento de aparências; não se dão mal mas também não se amam - o que, para Inês, é o caminho natural de todo casamento. Outra das certezas de Inês é que toda mulher será traída em algum momento da vida, o que acaba se confirmando quando ela encontra um bilhete com um coração desenhado com batom e assinado Tua. 

A partir de então, Inês vai tentar descobrir quem é a amante de Ernesto e, após de deparar com uma tragédia, resolve ajudar o seu marido. Afinal, toda mulher um dia será traída; para que jogar fora um casamento por conta disso?


OPINIÃO
Tua é um thriller que mistura o gênero policial com o suspense e, por ser curto (140 páginas), seu ritmo é alucinante!
Os capítulos são curtos e cada um nos leva a conhecer um pouco mais a fundo o relacionamento de Inês e Ernesto, uma relação de aparências. Em cada parte, o livro é contado por algum personagem e especialmente os narrados por Inês são extremamente movimentados e perturbadores porque a personagem tem muitas conversas consigo mesma, o que a torna profunda.

A história sofre uma reviravolta na metade mas, sinceramente, nem precisaria porque já acho o mistério proposto desde o início muito bom.
Em meio a história principal que é o modo como Inês e Ernesto lidarão com as consequências da traição, há ainda a filha do casal, Lali, que sofre também seu drama pessoal e acaba sendo completamente ignorada pelos pais.

O livro é viciante e não dá vontade de largar antes de terminar. Sob pontos negativos, preciso ressaltar que o final não me agradou muito porque achei um tanto fantasioso demais - apesar do livro inteiro ser bastante nesse clima, nunca deixei de acreditar nas situações propostas exceto no final. Outra coisa que me incomodou foi a história pouco explorada dos pais em relação a Lali, sua filha.

Tirando esses pontos, o livro é muito bom. Gosto muito do gênero e Tua é um grande exemplo do suspense, em especial o suspense feminino que começou  ganhar destaque com Garota Exemplar.


TRECHOS
❤ "Nós sempre contamos tudo um ao outro. Estávamos juntos desde os dezenove anos. Uma ou outra coisa, talvez. Coisas sem importância. Ou coisas que é melhor não falar para cuidar bem um do outro. Porque, quando se é um casal, é preciso se cuidar todos os dias, senão a convivência vai nos matando. Na verdade, até aquele momento, ele nunca tinha me contado de Tua, algo compreensível, e eu agradeço. O que quer dizer que cuidou de mim. E o que também me mostrava que não era um assunto importante. Se tivesse sido importante, Ernesto teria contado, teria dito as coisas como eram e teria me deixado." 
- Pág. 13

❤ "Mas, no caso em questão, precisaria ter ligado e dito algo ao estilo de: "Ai, querido, me desculpe incomodar, mas tive um pesadelo, eu o vi arrastando um corpo até o lago de Palermo." Muito exagerado, ele ia perceber." 
- Pág. 17

❤ "Inclusive os que têm uma vida sexual mais ou menos ativa. Talvez façam amor uma vez por semana, rigorosamente. Duas vezes, no melhor dos casos. Mas beijar é outra coisa. O beijo perde o encanto muito rapidamente." 
- Pág. 77


Dá para adquirir o livro no Submarino. Pra ver todo o catálogo lindo da Verus, clica aqui e pra conferir mais sobre o Grupo Editorial Record, aqui!
Aproveita e me adiciona no Skoob pra conferir todas minhas avaliações e leituras.

Ficaram curiosos pra ler?
Beijos.
EI, LEITOR! O livro foi enviado pelo Grupo Editorial Record, devido à parceria que o blog tem com a editora. O blog não recebe qualquer pagamento para resenhar e divulgar o livro, expondo sempre a opinião sincera em relação à leitura!

Amor: o mesmo velho clichê


Pra ler ouvindo: Amar es - Pimenta Buena

Recentemente aconteceu comigo uma das coisas mais clichês da vida. Mas sempre fui da opinião de que clichês só o são por algum motivo muito forte e, não sendo eu diferente de ninguém, o clichê bateu na minha porta, eu abri e ele bagunçou a minha vida.

De todos os clichês, logo o meu preferido veio me procurar: o amor.
Me peguei precisando ouvir os conselhos mais óbvios, tal como 'Coisas ruins acontecem para que coisas boas possam aparecer' ou 'Uma porta se fecha mas uma janela se abre'. Tudo se torna mais importante, mais sério quando se trata da nossa vida, não é?! Afinal, só queremos ser felizes. Eu quero.


A felicidade é tão estranha. Ela pode estar do nosso lado e a gente não perceber; enquanto ela está esperando, quietinha, a gente está lutando para conquistá-la quando bastava desviar a direção. Tenha essa coragem! A coragem de mudar o rumo, de encerrar ciclos e começar histórias novas. Busque conhecer seus sentimentos e suas vontades e evite ao máximo negá-las porque, no fundo no fundo, a gente sempre sabe. Às vezes, é tudo questão de fechar os olhos e sentir, deixar-se levar.

Eu me deixei levar. Foi ótimo! Mas depois foi sofrido. É porque todos nós sempre arrastamos junto nossa mala de bagagens e lembranças, por vezes pesada demais, por vezes leve demais. Não jogue fora nada dessa mala! Todos os mínimos detalhes que ali estão, tornam você quem você é hoje. Mas tenha a coragem de guardar tudo lá dentro e levantar acampamento. 

O amor bagunça, o amor dói (dói, sim!), o amor te faz perder o rumo. Mas o amor é tão incrível que você nem vai lembrar de trocar a lâmpada da sala que está queimada, não vai se importar com sujeira da casa, não vai querer mais nada a não ser amar. 

"O amor não pede licença. [...] O amor bagunça tudo. [...] O amor se reconhece." 
- Fernanda Mello

Obs.: Que sumiço enorme, ein, gente! Acredito fazerem anos que não sumo por tanto tempo aqui do blog e, tenham certeza, estou MORRENDO de saudades!
Mas o amor bagunçou minha vida. Faz parte!
O importante é que a fase ruim já passou e eu estou de volta. Mais feliz ainda, mais apaixonada pela vida ainda!

Diário: Fotos, Mais Fotos e Chácara


Acabou abril, gente! Ano voando, meses voando e eu estou aproveitando muito, ainda bem!
A semana que passou foi agitadíssima por conta das fotos de formatura e do feriado mas a segunda-feira foi bem normal - aula, academia e limpar a casa. Não tirei fotos mas fiz vlog (se tiver ficado bom, em breve por aqui!).


Terça e quarta foram os dias das fotos. 
Na terça, tínhamos as fotos da turma. O dia começou às 8h30 no Espaço Gutto Pereira onde fiz make e cabelo. Ondas soltas foi a minha óbvia escolha para o cabelo e, nesse primeiro dia, quis uma make beeem dramática pra destacar mesmo que as fotos fossem de longe. 
Após alguns entretempos, começamos a sessão de fotos na Charqueada São João (lugar maravilhoso!) por volta do meio-dia e eu fiquei exausta! Cada foto exigia um bom tempo até toda a turma ficar bem posicionada e arrumada; foi divertido mas muito cansativo.
No final da tarde, ainda fomos para a faculdade para mais umas fotos rápidas na frente desse prédio histórico lindo da foto.
Tiramos fotos de jaleco, toca e com a roupa preta. Optei por uma calça social de corte flare - porque alonga e valoriza meu corpo -, blusa preta com detalhe discreto e salto alto mas grosso (melhor escolha da vida para pisar em grama e ficar muito tempo em pé!).


A quarta foi um pouco mais tranquila mas tinha o cansaço acumulado do dia anterior.
Dessa vez, fui para o salão ao meio-dia e fiz uma make em tons de marrom lindíssima; não queria mais tirar! E as fotos começaram às 14h de novo lá na Charqueada.
Nesse dia, as fotos eram com os grupos pequenos e individuais. Rolou até emoçãozinha em colocar a toga e segurar canudo! Ah, preciso explicar isso pra vocês: aqui na UFPel, tiramos as fotos para a formatura dois anos antes (!!) porque a partir de agora vamos estagiar e a turma acaba se separando, ou seja, a formatura mesmo demora ainda.
Ao encerrar as fotos na Charqueada, ainda teve sessão na faculdade e no hospital. As fotos do hospital devem ter ficado incríveis, estou muito curiosa pra ver!
Ao fim desses dois dias, óbvio que desmaiei, né?! Como eu falei, nasci pra ser médica e não modelo hahaha.


Eu que jurei que iria para a academia na quinta de manhã, mal consegui acordar a tempo de arrumar a mala e pegar meu ônibus para ir até Flores da Cunha visitar os pais. 
Viajei o dia inteiro e cheguei lá de noite com aquele frio típico da serra. Como pode ser tão frio lá, gente?
Pelo menos, meu pai garante que a lareira permaneça o inverno inteiro funcionando e eu fico realmente na frente dela. 


Toda a minha família rumou para Nova Roma do Sul na sexta. Meus pais estão arrumando um cantinho no meio do mato para eles por lá. Só que antes de ter tudo pronto e lindo como imaginamos que ficará, tem muito trabalho!
Colocamos todos a mão na massa - e na madeira e telhas e pregos. Vocês podem até não acreditar mas fiquei irreconhecível e fiz muita força como há tempos não fazia. Foi cansativo mas gratificante ao mesmo tempo.
Voltei para Flores da Cunha com o Denis ainda no final do dia.

O final de semana passou como deveria: matando a saudade das pessoas que amo, descansando, estudando (tenho 3 provas essa semana sendo uma amanhã, SOCORRO!), "aproveitando" o frio e saindo da dieta.


E domingo é dia de? Voltar para minha casinha amada. Adoro ficar fora mas adoro voltar pro meu cantinho amado. 

A semana vai ser corrida com bastante provas e retomada séria da dieta! Mas espero que seja incrível pra vocês e pra mim.
Beijão.